Back to International Life Histories

Tenaflae da Silva Lordêlo

Este breve relato de episódios da minha vida, tem seu espaço físico ligado ao Conjunto 5a do Imbuí. Envolve os prédios: Ibamirim ( onde eu moro ) e o Ibabiraba ( onde Pablo mora ). No primeiro episódio eu tinha 9 anos e no último cheguei ao 15, é um relato de 6 anos.

As horas não me vêm a lembrança, até porque não era fã de relógio, mas era manhã. Foi a casa de Pablo, chegando lá, estavam ele e outras pessoas assistindo à tevê. O filme era E.t., eu nunca tinha assistido filme em vídeo-cassete, fiquei impressionado. O filme foi correndo, e o primeiro impacto foi os meninos voando em suas bicicletas, acho que foi mais pela música do que pela cena. Agora, o E.t. se despedia do menino, novamente a música, eu não resistir e comecei a chora. Eu coloquei as mãos para evitar mais lagrimas, mas parecia que meus olhos estavam furados. Tudo isso me intrigou, pois nunca fui de me emocionar. Este episódio foi a primeira vez que me emocionei frente a tela. Ainda hoje, eu me pergunto como os diretores consegue tornar seres sem muita estética em seres adoráveis.

O vídeo tinha começado a virar rotina, na casa de Pablo. Para não perder o costume, eu cheguei no meio do filme. Estava quase todos meus amigos lá: Ciro, Pablo ( claro!), Bída, Igor e Ricardo. Até então eu só conhecia os heróis de desenho animados, mas vendo seres "reais" fazendo proezas fantásticas, defendendo a Terra, fiquei empolgado. Estes heróis: os Changeman e Jaspion, eram tudo que queríamos ser, acabando o filme fomos brincar. Todos foram gritando: "eu sou ChangeDragon", "eu já sou Pergasus" nem Marmeyd ( uma das personagem ) ficou de fora. Eu vi todos se tornarem heróis, mas eu não sabia nome de ninguém. Para não ficar de fora, fiquei sendo o grande robô, mas ele só parecer no final. Infelizmente, a brincadeira parecia não acabar, e eu acabei ficando parado, só olhando. O interessante e que se percebe claramente a influencia do filme no meu comportamento.

Na tevê, em casa, eu assisti ao filme Star War. Eu sempre fui fascinado pelo espaço, naves, extraterrestre e tudo mais. No dia seguinte, como era de costume, reunimos a galera e fomos brincar, o tema não poderia ser outro, Guerra nas estrelas. Deta vez eu sabia os nomes dos personagem, foi incumbido de ser Lucke Skywalker, deve ter sido pela minha beleza. A brincadeira começou bem desta vez, meu personagem era ativo, mas o pior veio depois. O filme causou mais impacto em um colega, ele acreditava ter contato à noite com um mestre Jedi ( era os mestre que guiava o bem nas suas missões, segundo o filme ). Não demorou muito ele começou a escolher os seus discípulos. Eu foi discriminado, ele não levou em conta que eu já fui o Lucke Skywalker nas brincadeiras. Demorou muito tempo até pararmos de acreditar neste colega e sonhar com Star War. Este filme causou em mim e meus amigos uma espécie de devoção aos mestres Jedi.

Cheguei à noite em casa, liguei a televisão, de volta para o futuro era o filme que estava na tela, comecei a assistir. Ficção como já não é segredo é o meu real gosto. Ao termino do filme comecei a pensar na possibilidade de viajar no tempo ( calma! Não usei drogas ). Juntei alguns amigos: Rico, Harlam e Igor ( aqui já e outro) para pormos em pratica a máquina do tempo. Os dias foram se passando e os rabiscos foram se transformando em projetos, fizemos até o projeto do capacitor de fluxo ( era o que permitia a viagem no tempo, segundo o filme ). Todos os outros colegas já sabiam da proeza e até alguns pais. Começamos a ser bem visto pelas garotas, foi a primeira vez que alguém se apaixonou pela minha pessoa. Tudo ia bem, até que uma estranha luz apareceu no areal ( moramos na parte do Imbuí próxima ao areal ). Chegamos a conclusão que a luz era da máquina do tempo que construímos no futuro, e usamos para viajar até o presente ( loucura ). O prédio quase que todo desceu para ver a tal luz ( parece brincadeira, mas não é ). Ficamos a observar a luz, até porque carro comum não sobe em areal. É por que ficaria parado tanto tempo em nossa direção? uma colega sumiu sem maiores explicações ( falo sério ), coincidência ou não tudo começava a ficar mais estranho. Ao ser encontrada ela disse não se lembra de nada, há não ser que estava correndo. A luz se apagou e todos foram para seus apartamentos. Os dias se passavam e outras coisas curiosas começaram a ocorrer. Evidências que comprovariam ( pelo menos para nós ) a existência da máquina do tempo. Papeis mais bem elaborado com desenhos muito similar aos nossos projetos, foram encontrados, espalhados próximo a quadra de esportes. Estudamos os papeis e resolvemos queima-los, porque não só os papeis mais muitas outras coisas, nos chamava a atenção. É verdade, desistimos ( pelo menos por enquanto ). Este filme marcou muito minha vida e de meus colegas, mas desta vez conseguiu mexer com quase um prédio inteiro. "Ficção forma destorcida de ver a realidade, ou de prever o futuro". Cuidado para não se bater conosco num tempo no futuro ou no passado. Esta realmente foi demais, porém desistimos de alguns dos nossos sonhos ( pelo menos este ).

Back to International Life Histories